segunda-feira, 29 de dezembro de 2008

O Presente: Uma Dimensão Infinita

Fui no Sábado ao Museu Berardo para ver a colecção BESart do Banco Espírito Santo, onde estão expostas cerca de 300 fotografias de 111 artistas, desde fotógrafos estrangeiros, como Nan Goldin e Thomas Struth, a portugueses de várias gerações, como Helena Almeida, Jorge Molder e Paulo Nozolino.

Absorvi o que fui vendo como uma lição de fotografia, onde tentei interiorizar as linhas orientadoras da fotografia contemporânea.

Tirei apontamentos dos nomes de alguns autores para mais tarde pesquisar sobre os seus percursos. Reconheço que a leitura antecipada do catálogo da exposição me traria luz em relação a alguns trabalhos, o que me levará, depois de o ler, a regressar (de boa vontade) antes do final da exposição.

Aconselho a todos, a visita a esta exposição de uma das maiores colecções europeias de fotografia, mas aconselho também que vão de mente aberta para o que lá vão encontrar.

Depois, se assim o entenderem, reflictam sobre o que lá viram e dêem a vossa opinião.

2 comentários:

António Correia disse...

Eu não vou ver.
Passei os olhos sobre algumas das fotos dos autores referidos e percebi tudo.
Não é porque seja inteligente mas porque ... sei lá. :)
Um dia - há algum tempo - também fui a uma exposição destas.
Esta gente só pode estar a gozar com a malta, com todos os papalvos que lá vão ver o que eles fazem.

Reparemos: são reconhecidos. Só isso basta. Têem estatuto.
Alguém lhes deu a mão dizendo que eram bons.
A partir daí são catapultados para a fama quando - se calhar - nem fotografar sabem.
Conhecem este, aquele e o outro importante crítico de Arte, sabem o que está na moda e vamos para a frente.
Por vezes recebem apoios financeiros de pessoas/instituições influentes e assim vão andando desejando fazer "fotografia de autor".
Tudo o que fazem está abençoado, destinado ao sucesso e à divulgação restrita dentro de um grupo de intelectuais mais ou menos caros (queridos).

E progridem. Ainda bem. O Mundo é feito de mudança como dizia o poeta. :)

Nuno de Sousa disse...

Eu acho que devemos ver e observar tudo, sejam bons ou mãos fotógrafos todos temos uma forma diferente de olhar, sejam bons ou maus, aconselho sempre a que se vejam sempre estas exposições, aprende-se sempre e quem sou eu para dizer o que está bem ou mal, cada um segue os caminhos que gosta e na fotografia é mesmo assim o que pode não ser bom para mim é para outros.
A ver se vou lá ver essa exposição :-)
Pelos vistos não é permitido tirar fotos, caso contrário teríamos aqui algumas imagens não é caro amigo Paulo.

Feliz ano de 2009 para ti amigo e que ele te traga o que mais desejas principalmente saúde, amor e alegria.
Um forte abraço deste amigo,
Nuno de Sousa